NO CENÁCULO com Pr.Alcides Pereira

“E, no primeiro dia da festa dos pães ázimos, chegaram os discípulos a Jesus, dizendo-lhe: Onde queres que te façamos os preparativos para comeres a páscoa? 18. E ele disse: Ide à cidade, a um certo homem, e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a páscoa com os meus discípulos. 19. E os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara, e prepararam a páscoa. 20. E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze. 26. E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. 27. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; 28. Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. 29. E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai. Mateus 26:17-20;26-29

“Antes de ser tocado pelo Espírito divino, ninguém pode afirmar o que o Espírito pode fazer nem como pode mudar o curso de uma vida inteira de hábitos arraigados nos pensamentos, palavras e atos. Charles M. Sheldon”

Na última ceia o que tínhamos no cenáculo?

  • Mesa
  • Alimentos: pão, vinho, carne, ervas amargas
  • Cântaro com água
  • Palavras
  • Treze homens

Mas o que tínhamos realmente no cenáculo?

A mesa tinha treze homens assentados ao redor se fartando com os alimentos sobre ela e ouvindo os últimos ensinos do Mestre.

Relegado a um canto esquecido da porta de acesso, um cântaro com água e ao seu lado toalhas para enxugar, que não foram tocados.

Quando observamos esses itens, podemos alcançar o que realmente de valor tínhamos ali.

A MESA nos fala de INTIMIDADE, sim ali estavam pessoas íntimas entre si. O Senhor e seus apóstolos. Já algum tempo, aproximadamente três anos para ser exato, esses homens conviviam quase que diariamente. Jesus e seus discípulos se tornaram uma grande família. O Senhor Jesus nos convida à uma profunda intimidade com Ele e entre nós seus discípulos

Os ALIMENTOS nos remetem à COMUNHÃO entre os presentes. Jesus manifestou-se concernente a está última ceia como algo muito relevante, importante para Ele. “Lc 22:14-15: “E, chegada a hora, pôs-se Jesus à mesa, e com ele os apóstolos. E disse-lhes: Tenho desejado ardentemente comer convosco esta páscoa, antes da minha paixão”. Sim o Senhor aprecia muito ter comunhão com os seus discípulos. A comunhão espiritual entre o Senhor e seus discípulos e também entre os discípulos entre si é algo extremamente relevante é necessário. E está comunhão não pode ficar restrita às nossas celebrações, precisa ir além.

No cenáculo temos ainda As PALAVRAS trocadas entre os presentes. Palavras que nos falam de REVELAÇÃO. Sim quando verbalizamos o que trazemos em nosso interior revelamos muito do que somos e sabemos, isso para o bem ou para o mal. Mas no cenáculo as palavras expressaram revelações muito além de conhecimento corriqueiro. Sim ali foram expostos o traidor, aquele que iria negar ao Senhor Jesus,  que todos o abandonariam e foi ali que um novo mandamento foi dado o  do amor sem medida, amar como Ele, mais que a própria vida, amar ao outro mais que a si mesmo e também a vinda e a pessoa do Consolador.  Palavras brotaram com água viva de uma fonte para saciar a sede dos discípulos.

Havia também, esquecido em um canto O CÂNTARO com água que nos fala de HUMILDADE. Sim aquele cântaro deveria ser utilizado para lavar os pés dos participantes daquela última ceia. Mas esta função era atribuída a um escravo, que não fora cedido juntamente com o espaço do cenáculo. E todos os participantes entraram, olharam para o cântaro e o desprezaram. Ninguém se propõe a lavar os pés de seus companheiros, pois isto seria rebaixar-se à posição de escravo. Bem, como nenhum dos discípulos o fez, Jesus tomou o lugar de escravo, de humilhação e lavou os pés de seus discípulos. Isto foi um exemplo de que o maior deve servir ao menor. O Senhor Jesus espera que nós sejamos humildes o bastante para lavar os pés de nossos irmãos, servir ao próximo desinteressadamente.

E por fim tínhamos ali TREZE HOMENS que nos remetem à ESPERANÇA DE CONTINUIDADE. Sim com a ida de Jesus ao Pai, seu retorno aos céus e sua glória. Agora cabe aos discípulos dar continuidade à obra da evangelização dos homens já iniciada pelo Senhor. Sim naquele cenáculo temos reunidos os precursores da continuidade, são eles os “presos da esperança”, Zacarias 9:12. Estes homens deram início à grande comissão do Senhor Jesus para a Igreja, cabe a nós discípulos da atualidade cumprir ao ide do Senhor.

Autor Pr. Alcides Pereira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: